TRADUCCIONES





MIGALHAS | José Francisco Ortiz Morillo (Venezuela)








Tornam os dias com sua lenta memória
feito pão sobre a mesa futura.

Tornam os dias com a certeza
de calada mansuetude.

Enquanto as animadas formas
de que é feito o mundo sofrem
a permanência intercambiável das algas,

O homem, barro tartamudo,
não sabe que fazer com suas palavras.

Provedor de migalhas ao amanhecer
na pasmaceira alegre da tarde.

_______________
Tradutor| Joseh Antonio Assunção [Brasil]
Versão do espanhol - 01.jan.2014

JANTAR NO BRASIL, séc. XIX | Jean-Baptiste Debret







 

BULEVAR| José Francisco Ortiz Morillo





Se soubessem as vozes
que pescamos nas ruas
quão inútil seria guardar
tanto estilhaço de palavras,
rebotes de candeias
nos olhos, a perdulária tarde.

Se soubessem as vozes
que intentam alcançar-nos
como reuniríamos seus traços
no ar viciado das ruas.
Seus escarcéus de sílabas
girândolas incansáveis a nomear
a folha _esquina talvez, hiatos_
de um livro abandonado.




Tradução: Joseh Antonio Assunção (Brasil)



Fotografía: Teatro Municipal/Rio de Janeiro (BR)
Foto: MundoImagem




BULEVAR


Si supieran las voces
que escuchamos en las calles
cuán inútil sería guardar
tantos pedazos de palabras
rebotes de candelas
en los ojos y la tarde.
Si supieran las voces
que tratan de alcanzarnos
cómo reuniríamos sus trazos
en el aire grave de las calles
sus escarceos de sílabas
girando sin fin para nombrar
la hoja que plegamos
de un libro abandonado.

José Francisco Ortiz